E agora, José? Será que estou grávida? | Mãegnífica
Guia de Sobrevivência

E agora, José? Será que estou grávida?

25 de fevereiro de 2016
seraqueestougravida

Eu engravidei, tive o meu pequeno no começo de Janeiro de 2015 e desde então tenho compartilhados experiências e informações sobre gestação e maternidade aleatoriamente. De uns tempos pra cá comecei a perceber que muitas vezes algumas mulheres precisam e procuram por informações que as introduzam no meio gestacional e materno desde o comecinho do comecinho, de forma descontraída e sem rótulos. Pensando nisso o blog inaugura hoje a coluna Guia de Sobrevivência (#palminhas) especialmente para guiar as mulheres que querem engravidar, as gestantes e já mamães que acompanham o blog nesse assunto complicado e perfeitinho!
Você já pensou quando é o primeiro contato real com a palavra gravidez e suas variantes? É justamente nessa hora que vem a perguntinha “Será que estou grávida?” e você recorre aos diversos métodos para descobrir se está ou não esperando um bebê. Mas quais são os métodos mais confiáveis e que te darão a resposta para a sua pergunta?
O post de hoje estreia a coluna respondendo à pergunta Como saber se estou grávida?

Antes de começar o tema propriamente dito vale lembrar e mencionar que cada caso é um caso e que cada mulher opta pelo método que mais se adequa ao seu momento, realidade e confiança.

Então vamos supor que você começou a sentir os famosos sintomas que te fazem, automaticamente, pensar em gravidez: atraso menstrual, enjôos, seios inchados, desejos alimentares, entre outros. Qual a primeira coisa que vem à sua mente? Procurar os métodos mais eficazes e confiáveis para confirmar a gravidez.

O teste que a gente procura logo de cara quando surge essa dúvida é o teste de farmácia. Esse, acredito eu, toda menina-mulher conhece e já procurou essa ajudinha para tirar esse ponto de interrogação da cabeça. Você sabia que ele existe no mercado desde a década de 1970? Ele também é conhecido como teste caseiro de gravidez e tem se tornado cada vez mais confiável – porém não O mais confiável – para o diagnóstico.

Como ele funciona?

Você já ouviu falar de um hormônio chamado gonadotrofina coriônica humana (hCG)? Pois ele está presente em todos os testes para indicar gestação em curso na mulher porque ele só é produzido nesse momento. Claro que há casos raros de haver esse hormônio em uma mulher mesmo não estando grávida, mas como eu disse, é raríssimo.

Como qualquer hormônio, o hCG – circulante no sangue – é filtrado nos rins e eliminado em parte na urina. O nosso teste de farmácia vai detectar o hCG exatamente ali, na urina. Já no primeiro dia de atraso menstrual esse teste pode detectar o hormônio na urina, mas como esse intervalo de tempo foi pequeno talvez a concentração dele seja muito baixa e por isso ele pode acusar o famoso falso negativo. Por isso é recomendado que as mulheres façam o teste uma segunda vez após cinco dias, porque o nível de hCG na urina pode quadruplicar e aí sim vai ser difícil acusar um resultado errado.
Atualmente o mercado farmacêutico oferece diversos tipos de testes de gravidez. Procure a orientação do seu médico ou do farmacêutico sobre a qualidade de cada um.

Apesar de o teste de farmácia ser o mais procurado pela facilidade e custo-benefício, o método mais confiável e definitivo para diagnosticar uma gestação é a dosagem sanguínea do hCG, o Beta – HCG. Na verdade tudo o que for diagnosticado pelo sangue tem mais probabilidade de dar resultados certeiros. Lembra que a gente disse ali em cima que o hCG é circulante no sangue? Pois bem, os níveis desse hormônio vão sendo produzidos e lançados na circulação sanguínea da mulher conforme a gravidez avança (por isso as chances de um exame de sangue ser mais certo).

Como funciona?

Você vai receber a prescrição médica solicitando o Beta – HCG aos centros de diagnóstico solicitando a retirada de sangue (igual aqueles exames de rotina que você faz todo ano). Após algumas horas você já recebe o resultado do seu exame que exibe o BhCG quantitativo – o resultado é fornecido em valores mili unidades internacionais por mililitro (mUI/ml).
Meu Deus, quanta complicação hein? Então vamos deixar assim:

– BhCG abaixo de 5 mIU/ml = resultado negativo, ou seja, não há gravidez em curso.
– BhCG entre 5 e 25 mIU/ml = resultado indefinido. Geralmente indica que não há gravidez em curso, mas pode ser o caso de uma gravidez muito recente, quando ainda não houve tempo do hCG ser suficientemente produzido para ser detectado no sangue. Nestes casos deve-se repetir o teste após três dias.
– BhCG acima de 25 mIU/ml = resultado positivo, indicando gravidez em curso.

(Fonte de tabela: M de Saúde)

Na maioria dos laboratórios, considera-se gravidez valores acima de 25 mUI/ml, então se você estiver lendo esse post enquanto está com seu exame Beta em mãos, prepare-se para decifrar esses valores (e que a resposta seja exatamente o que você deseja).

O meu caso foi muito rápido e inesperado, deixa eu contá-lo pra você. Eu tive alguns dos sintomas da gravidez logo no início como o atraso na menstruação, aumento de apetite e cansaço. Mas esses sintomas já tinham acontecido comigo diversas vezes por outros motivos como stress e principalmente efeitos colaterais de remédios para depressão e síndrome do pânico. Por esses motivos eu fiquei alienada com as mudanças do meu corpo até que peguei um resfriado ou algo parecido (já nem me lembro). Com muita dor de cabeça fui à unidade de pronto atendimento do meu plano de saúde para ser consultada e diagnosticada. Relatando meus sintomas (inclusive o atraso de menstruação) o médico plantonista solicitou o exame de sangue (e que não me foi revelado ser o Beta – HCG). Esperei o resultado do exame e, menina de Deus, eu consigo me lembrar desse momento com tanta nitidez que às vezes fico com medo de voltar àquele momento.
O médico me chamou à sua sala, sentou de frente pra mim, abriu o exame e circulou rapidamente uma palavra no topo do papel. Assim que o peguei ele disse simultaneamente “Parabéns, você vai ser mamãe!”. A partir daí eu já não me lembro de muita coisa a não ser que repeti cinco vezes “Não pode ser!” para ele.
Cheguei em casa aos prantos, temendo meu futuro e de uma possível criança (porque até então eu não estava acreditando naquilo) e desabei no colo da minha mãe. No outro dia, ainda não crente do que estava acontecendo, contei todo o ocorrido ao meu psquiatra, orando para que ele me confortasse dizendo “Ah não, provavelmente é efeito de algum dos remédios que te passei, fica tranquila porque esses erros acontecem”. Tentando me acalmar de uma forma que deu certo no começo, o doutor prescreveu o ultrassom transvaginal. De uma vez por todas nós (quer dizer, mais eu do que qualquer outra pessoa) teríamos a certeza que nada e nem ninguém poderia me negar.

Como funciona?

O ultrassom transvaginal é um exame pedido já pelo seu obstetra. Geralmente você já sabe que está esperando um bebê e começou o processo do seu pré-natal. No meu caso foi bem diferente, eu ainda não tinha (e nem queria) aceitar o fato de que seria mãe.
Esse exame pode ser feito no consultório do seu obstetra, caso ele possua esse recurso (mas não é comum) ou em um centro de diagnósticos. Não é invasivo e é utilizado para avaliar os órgãos reprodutores femininos – incluindo o útero, colo uterino e ovários. Ou seja, abraça a galera geral mesmo, o que significa que não é um exame específico para gestantes. Ele é feito via endovaginal e através de ondas sonoras gera imagens em movimento das estruturas pélvicas. Aqui é importante ele ser ondas sonoras e não radiação porque a mulher precisa evitar o contato com esse tipo de exames no começo da gestação.

Para quem foi confirmado a gestação, ele é realizado bem no começo dela porque assim consegue datar e avaliar o número de embriões. A partir dessas informações o obstetra vai calcular as semanas do seu bebê, a possível data que ele vai vir ao mundo, etc.
Esse exame também serve para avaliar o tamanho do colo uterino, diagnosticar áreas de deslocamento placentário – caso haja sangramento vaginal no início da gestação – e até acompanhamento de tratamento dos casais inférteis. Por isso fique tranquila se um dia seu médico te assustar ao pedir uma ultrassonografia transvaginal.

O momento desse ultra é deslumbrante porque é o primeiro contato que você tem com o seu bebê. Eu relutei tanto em aceitar aquele positivo no meu exame de sangue, você não faz ideia. Entrei na sala do ultrassom com o coração apertado e esperançoso de que fosse um negativo (#mejulgue). Mas na hora que ouvi o coração do Luquinha batento acelerado e forte, meu Deus, a cortina do palco da minha vida caiu ali mesmo. Era hora de viver.

Atenção, amiga leitora:

  • Se você suspeita de uma possível gravidez então não demore para confirmar suas dúvidas. Quanto antes você tiver a certeza e começar o pré-natal, melhor. A segurança do bebê começa já na primeira semana de vida e precisa de toda a orientação médica;
  • Existem por aí algumas receitas caseiras para te ajudar descobrir se está grávida. Nem preciso te dizer que é furada, né amiga? Cai fora e procure os métodos corretos e seguros! Esses testes com ervas, temperos, óleos e qualquer produto caseiro pode ser prejudicial sem você querer;
  • Não estou aqui pra julgar ninguém mas apenas colocar os pontos nos is. Portanto, seja gravidez indesejada ou não você precisa se lembrar de algumas coisas: 1) só você sabe o que quer para o futuro e 2) só você vai arcar com as consequências de qualquer decisão que tomar, seja ela ter o bebê ou interromper a jornada. Independente de qual for sua decisão, faça-a consciente. Procure orientações e informações sobre o aborto e nada de receitas caseiras para causar esse ato, viu! Além de ser um risco enorme, há chances de não funcionar e o seu bebê nascer com problemas gravíssimos de ordem física e psicológica;
  • Se você tem medo desse momento de possível mudança na sua vida, confie em alguém de seu círculo para te acompanhar nesse processo. E saiba que uma criança pode não ser o presente que você sonhou para esse momento mas, acredite, ela pode te transformar de uma maneira mágica que nem mesmo as fontes d’águas miraculosas podem oferecer;
  • E para evitar gravidez indesejada, já sabe, métodos contraceptivos SIM senhora!

A gente sempre tem medo de mudanças inesperadas, não é? E me parece que ter um bebê é uma das mais aterrorizantes que a mulher pode imaginar. Parece que quando o positivo surge, a vida acaba de uma vez. Já vi pessoas ficarem mais tristes com a notícia da vinda de um bebê do que se tivesse recebido a notícia de ser soro positivo. Não sei que mundo é esse mas a verdade é que ter um filho, às vezes, é o presente certo vindo das mãos de Deus. A gente não entende, se amedronta com o futuro, com nosso eu mas se você permitir, no fim das contas, um filho é a forma mais linda e sincera de Deus permitir que sejamos completamente felizes.
E aí, já viu o resultado do seu exame? Conta aqui pra gente: é positivo ou negativo? As mamães de plantão me contem como foi descobrir que estava grávida do seu pequeno!

5 dicas importantes sobre o aleitamento materno
 

Você também pode gostar de

7 Comentários

  • Responder Marta Medeiros 24 de agosto de 2016 at 19:44

    Boa noite Jeh, sem comentários para o seu site, adoreeeiiiiii, não há o que falar! Muito bem explicado, bem formulado, muito atraente e deixa a gente com a atenção super aguçada. Quando fiquei grávida fiz o teste de farmácia primeiramente, demorei horas e horas pra criar coragem, mas quando criei, estava lá, a prova da minha gravidez. Nada melhor do que ser mãe, uma experiência única. Boa noite a todas amigas.

  • Responder Cássia 25 de fevereiro de 2016 at 13:45

    Jéh!
    Achei um máximo essa nova coluna ? Não sou mãe, mas sempre sonho com o dia em que irei carregar meu bebê dentro de mim (e, consequentemente, nos meus braços). Já precisei fazer teste de farmácia, e o tempo de espera parece infinito, HAHAHA,. Vou acompanhar os demais posts!

    Beijinhos

    • Jeh Asato
      Responder Jeh Asato 26 de fevereiro de 2016 at 02:28

      Eba!! Fico mega feliz que tenha gostado da coluna, Cássia! Eu pretendo trazer muitos temas legais e até polêmicos aqui no blog (e na coluna Guia de Sobrevivência)!
      Nossa, eu nunca fiz o teste de farmácia mas acho que meu coração iria à mil, provavelmente enfartaria antes de ver o resultado. Eu sou muito ansiosa e sempre sofri por antecedência sabe? Acho que a minha sorte foi ter ido ao pronto-atendimento pensando ter uma coisa e sair de lá sabendo que estava grávida do que ter ido com essa dúvida, teria me martirizado muito durante esse tempo de espera e dúvida! Hehehe!
      :*

  • Responder Juliana 25 de fevereiro de 2016 at 09:21

    Oi, Jeh! Parabéns pelo post, super completo e de forma imparcial. Adorei a parte “Atenção, amiga leitora” e das dicas passadas sem julgamento, você tem uma cabeça à frente, minha flor! O certo é exatamente isso, conscientizar sem obrigar ninguém a fazer nada. Seu blog é isso, uma linda forma de conscientizar as mães e futuras mamães que estão morrendo de medo do futuro, dando forças pra elas terem paz de espírito e encararem o que vem pela frente, que eu imagino não ser nada fácil, mas muito recompensador <3 Essa coluna vai ser SUCESSO por aqui :D
    Adorei saber mais da sua história, como você descobriu que estava grávida e confesso que ri um pouco, kkkkkkkkk Desculpa! Foi engraçado. Hoje a gente ri, mas na hora deve ter sido muito desesperador.

    Beijos!!!

    • Jeh Asato
      Responder Jeh Asato 26 de fevereiro de 2016 at 02:30

      Ahh obrigada Ju, que bom que gostou do post! Espero ajudar e compartilhar experiências com outras mamães e até mesmo possíveis futuras mamães, hehehe.
      O assunto aborto é algo que já mudou de posição diversas vezes na minha mente mas só agora que me tornei mãe consigo me posicionar sobre ele. Engraçado, né? Ainda vou falar disso aqui no blog!
      Menina, já precisou fazer algum destes testes pra saber se estava grávida? Me conta como foi, acho muito divertido porque a maioria das mulheres me falam que ficavam numa tensão insuportável, hehehe!
      <3

      • Responder Juliana 26 de fevereiro de 2016 at 08:25

        Hahaha! Eu comprei uma vez, sabe? Mas não tive tempo de fazer e aconteceu que a menstruação veio e encostei o teste! Um dia desses eu estava arrumando a gaveta e achei, joguei fora kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
        Sim, foi BEM tenso, mas como eu já estava com Stênio e já éramos noivos, me abri com ele e ele me tranquilizou demais <3

        Beijos!

        • Jeh Asato
          Responder Jeh Asato 2 de março de 2016 at 03:44

          Ahh entendi, hehehe mas a gente fica meio tensa só de pensar “vou ter que comprar um teste”, não é mesmo? Com certeza o apoio de alguém em quem a gente confia (no seu caso seu próprio noivo, melhor ainda) acaba nos tranquilizando e até nos dando forças, rs.
          <3

    Deixe seu comentário